quarta-feira, 19 de maio de 2010

BOM DIA!

Por favor, me respondam.
É algo muito difícil olhar nos olhos de uma pessoa e desejar um bom dia?
Hoje fiquei pensando sobre isso porque falei com uma pessoa ao sair do meu prédio e desejei bom dia.
Impressionantemente, eu ouvi um grunhido, quase inaudível e indecifrável para um falante de língua portuguesa.
Parece que responder a tal desejo, que veio de outra pessoa, constitui um esforço herculíneo.
Isso acontece com vocês também?

segunda-feira, 12 de abril de 2010

MONSTRO DO SAX


SANIDADE

Encontrei essa figura no meio da rua em Lisboa tocando Tom Jobim no sax. Ouvimos de longe o som e decidimos chegar perto para conferir.

O Monstro do Sax, assim se intitula, reúne um monte de gente que gosta de ouvir boa música e morre de saudades do Brasil.

Depois de curtir o seu som e ler suas placas com dizeres bem interessantes e cheios de marketing, fiquei a pensar:

O que é a Sanidade?

Quem são, de verdade, os sãos?

Qual é o real limiar entre a Sanidade e a Loucura? E quem decidiu isso e baseado em quê? O que é real e o que é ilusório?

Raul Seixas dizia que queria ficar Maluco Beleza,

Ney Matogrosso canta que Louco é quem diz que é feliz e não é.

Na foto, o cidadão “insano” consegue congregar umas 40 a 50 pessoas e as convida a cantar, assobiar e sorrir.

Porém, os sãos não fazem isso, não ficam no meio da rua pagando um “mico” desse. Os normais não têm tempo para ficar na rua perdendo esse tempo todo, eles têm que trabalhar, ganhar o pão, ganhar dinheiro, fazer algo na vida....

O Monstro do Sax é livre! Livre do sistema, dos pré-conceitos, das crenças, não engole o engodo da culpa e por isso, é feliz e faz sua vida acontecer.

Eu adorei o Monstro do Sax porque ele me trouxe essas reflexões não tão inovadoras, é verdade, mas vale a pena lembrar e parar um pouco e pensar:

Como você tem levado a sua vida?

quinta-feira, 8 de abril de 2010

CICLOS DA VIDA

Sempre é preciso saber quando uma etapa chega ao final...

Se insistirmos em permanecer nela mais do que o tempo necessário, perdemos a alegria e o sentido das outras etapas que precisamos viver.

Encerrando ciclos, fechando portas, terminando capítulos. Não importa o nome que damos, o que importa é deixar no passado os momentos da vida que já se acabaram.

Você pode passar muito tempo se perguntando por que isso aconteceu....

Pode dizer para si mesmo que não dará mais um passo enquanto não entender as razões que levaram certas coisas, que eram tão importantes e sólidas em sua vida, serem subitamente transformadas em pó.

Ninguém pode estar ao mesmo tempo no presente e no passado, nem mesmo quando tentamos entender as coisas que acontecem conosco.

O que passou não voltará: não podemos ser eternamente meninos, adolescentes tardios, filhos que se sentem culpados ou rancorosos com os pais, amantes que revivem noite e dia uma ligação com quem já foi embora e não tem a menor intenção de voltar.

As coisas passam, e o melhor que fazemos é deixar que elas realmente possam ir embora...

Por isso é tão importante (por mais doloroso que seja!) destruir recordações, mudar de casa, dar muitas coisas para orfanatos, vender ou doar os livros que tem.

Tudo neste mundo visível é uma manifestação do mundo invisível, do que está acontecendo em nosso coração... e o desfazer-se de certas lembranças significa também abrir espaço para que outras tomem o seu lugar.

Deixar ir embora. Soltar. Desprender-se.

Encerrando ciclos. Não por causa do orgulho, por incapacidade, ou por soberba, mas porque simplesmente aquilo já não se encaixa mais na sua vida.

Feche a porta, mude o disco, limpe a casa, sacuda a poeira. Deixe de ser quem era, e se transforme em quem é. Torna-te uma pessoa melhor e assegura-te de que sabes bem quem és tu próprio, antes de conheceres alguém e de esperares que ele veja quem tu és..

E lembra-te :

“Tudo o que chega, chega sempre por alguma razão”

Fernando Pessoa

terça-feira, 6 de abril de 2010

Bom, vou começar falando sobre algumas imagens que tenho.
Esta aí é mais um graffiti de Banksy, artista inglês, famoso por suas imagens contra o sistema e status quo da sociedade.

Eu adoro esta imagem porque ela exprime muito do que nossa sociedade, em todos os âmbitos, pela necessidade que o sistema tem de que muita coisa seja escondida debaixo do tapete. Tapetes existem aos montes e estão em todos os lugares.
Parece que a prática não se restringe ao Brasil, mas também pode ser vista em toda Humanidade.
Contudo isso, você também tem seus próprios tapetes?
E o que você esconde debaixo deles? O que os outros não podem ver?
Dá uma olhada em você mesmo...

segunda-feira, 5 de abril de 2010

Começando...

Bom, estou começando hoje o meu blog.
Vamos ver se dá certo.